• De: Tarsila
  • Para: Tarsila

Olá!

Venho aqui escrever uma carta direcionada a você. Talvez pra você seja mais uma daquelas cartas que falam o quanto sua vida tem importância e que você deve valorizá-la. Tenho certeza que já ouviu isso de pelo menos uma pessoa. Pois bem, dessa vez quero te mostrar um outro lado da história. Enquanto você foca em o quanto sua vida está sem um objetivo ou que você não tem motivos para continuar vivendo, pense um pouco nos outros, aqueles que estão ao seu redor, perto ou longe. Aqueles que já passaram pela sua vida, aqueles que estão agora, e possíveis que virão.

Aqueles que já passaram, te viram, te sentiram, riram ou choraram contigo. Foi bom ou ruim, mas te fizeram crescer. Os que estão, provavelmente não tem noção da intensidade dos seus sentimentos nesse momento, e o quão realmente fragilizado você se sente. Entendo que você talvez não queira incomodá-las (também sou desse time), mas acredite, elas realmente se preocupam com você e ficarão até mesmo furiosas em saber que você está passando por tudo isso sozinho. Não é fácil, eu sei! Mas tente se abrir pelo menos um pouco. Chorar pode assustar o próximo, mas você só vai descobrir na hora, não tem bola de cristal, e você pode se surpreender por uma resposta positiva, ou negativa (não vou mentir), só se arriscando pra descobrir. Eu me arrisquei e senti os dois lados, e isso foi bom pra mim, e realmente me surpreendi. Não existe fórmula secreta, nem código! É tentativa e erro. Sinto muito por isso. Concordo que as coisas deveriam ser mais fáceis… mas não seríamos felizes se assim fossem…

Quero te falar da pessoas que virão… Essas nem eu e nem você sabemos! Mas o curioso é que elas vêm, independente de querermos ou não. E, novamente, pode ser pra somar ou diminuir nossas vidas. Só vivendo mesmo! Todavia, quero te dizer: não prive esses que irão vir de ter uma experiência com você. Te juro que me dói no coração quando penso em pessoas que se foram sem que eu pudesse conhecê-las. Acho até engraçado como me sinto, mas é verdade. As vezes amigos me falam sobre alguém que viveu entre eles, e eu penso, o quão interessante teria sido que eu tivesse conhecido esse sujeito.

Por último, quero te fazer apenas um pedido. Afinal, existe um motivo para essa carta. Você não tem se sentido bem, e tudo bem! Ninguém, eu disse NINGUÉM, consegue ou deveria sequer tentar ser perfeito. Somos humanos! Erramos, aprendemos com isso e continuamos vivendo. Não permita que sua vida acabe antes de todos que precisam, possam te conhecer.

Se você tem uma fé, se agarre a ela, e sinta o amor vindo dela. Respeite sua vida, seu tempo, você mesmo. Se permita. Eu tenho a minha fé, e se não for lhe ofender, fique com Deus, e que ele te abençoe. O mundo te ama, basta dar algumas chances para que te prove isso.

Tarsila